Verbo de ligação


Francisco Gregório Filho, um artista brasileiro

Será um personagem? Ancião? Duende? Homem? Mago? Ou criança?

Que criatura é essa, Francisco Gregório, eu gosto de me perguntar. E quanto mais me respondo, menos compreendo. E mais me divirto.

Porque ele simplesmente não cabe em nenhuma das minhas caixinhas. O que, contraposto à curiosidade, apura em meu imaginário um estimulante caldo de ideias e luzes, sentimentos, cores e possibilidades.

Quantas faces tem essa alma, dimensão em que realidade e fantasia se entrelaçam, conversam e fluem naturalmente, basta constatar na profundidade de seu olhar de ente que sabe onde está pisando. Ou flutuando. Ao tempo em que comunica, com suas cintilantes piscadinhas cênicas: tudo é uma brincadeira.

Contador de histórias singular, narra com ritmo e melodia muito particulares, como que confortavelmente sentado em um braço de estrela daquelas que os pequenos desenham. Tem a ousadia de dispensar contos com começo-meio-e-fim. Porque escolhe e anima recortes da realidade que pairam acima do tempo, como parecem anunciar as pipas que compõem seu repertório iconográfico.

Escreve. Acho maravilhoso seu título “Lembranças amorosas” – uma coletânea de textos deliciosos que autografou pra mim, numa noite fria em Curitiba. De posse de suas memórias, em duas palavras macias fala do afeto, da família, da natureza, de tudo o que é bom e de que a gente precisa tanto, inclusive para construir o presente.

O volume está em minha cabeceira e folheio antes de dormir, para que me permeie, antes da entrega ao sono, de carinhos de mãe, bênçãos de avô, canções e vozes, beijos de namorados e cheiros de comida boa.

Em tais fazeres cheios de paixão, de vida e de reflexão, Francisco declara seu amor às letras e aos ofícios dela filhos. Mas não entrega pronto. Deixa o interlocutor com a tarefa intransferível: digerir.

Distante do seu Acre natal, mora no Rio e viaja pelo país, contando e encantando. O povo fica todo bobo com esse filho da floresta. Porque só a floresta é capaz de produzir um ser simples assim, livre assim.

Mas quem sou eu para estar aqui analisando uma pessoa tão rara? Uma apreciadora das suas artes de menino grande. E, com sorte, sua amiga.

O contador de histórias e escritor acreano Francisco Gregório Filho (Foto: Kinita Gold)

O contador de histórias e escritor Francisco Gregório Filho (Foto: Kinita Gold)

Anúncios

Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: