Verbo de ligação


dono de tudo
18/11/2013, 16:33
Filed under: Imagem, Prosa

Amor algum nasce. Que o amor todo já existe.

Mas o amor se revela. Nas manifestações mais esperadas e nas mais insuspeitas. E, cumprindo seu destino de ser amor, ponto a ponto craveja a escuridão, revelando sua teia luminosa.

Nela está o amor da mãe. E depois, bem depois, a saudade do filho que só então compreendeu a dimensão desse continente. Na dor que sentirá ao reconhecer a própria ignorância. E no perdão que sempre esteve preparado no imortal coração materno.

Na teia luminosa está o amor que as crianças têm entre si. Em sonho revivi um carinho de infância por uma coleguinha de escola e, ao compreendê-lo tão doce, puro e intenso, só consegui chorar de tristeza por, sem perceber, ter me esquecido como se ama com inocência.

Nessa teia está o amor dos amigos, esses que se elegem por afinidades e que, amparados pelo bem-querer do outro, fazem-se menos sós neste mundo.

Está também a generosidade dos que abrem os braços para os solitários e os incluem em seus grupos, suas famílias, em seus lares e entre seus pares. E está a entrega, a compaixão e a coragem dos líderes responsáveis.

O amor dos apaixonados também pertence à teia. Ainda que todo enamorado tenha um pé na ilusão, seu ímpeto em direção ao outro o qualifica para a nobreza, pelos atributos do desprendimento e da fé. A teia abriga mesmo aquele amor que nunca foi anunciado, tamanho o medo de se tornar um amor desamado. Ou aquele que, confesso, não encontrou acolhimento à doçura que pelo outro trazia no peito e derramou pelos cantos suas lágrimas sentidas, até que secassem por misericórdia do tempo.

E há ainda a bagagem emotiva daqueles trocaram votos de amor por juras de ódio, desprezo e inimizade. Esses sentimentos também pertencem ao amor, mas um amor adoecido, que se recolhe ao medo de ser ferido novamente, sem saber que de qualquer forma está se preparando para ser livre e admitir que ama.

Pois quem um dia amou nunca deixará de amar. Pode, caso não suporte a carga de amar, esquecer esse amor, pode negá-lo, rejeitá-lo e depreciá-lo, mas não pode jamais destruí-lo. Ninguém tem esse poder, porque o amor é o dono de tudo e ama viver.

Mandala de flores da artista plástica Kathy Klein

Mandala de flores da artista plástica Kathy Klein

Anúncios

2 Comentários so far
Deixe um comentário

“eso es lo que siento yo,en éste instante fecundo”
Violeta Parra.

Comentário por Gilson Brandao

😉

Comentário por Onides Bonaccorsi Queiroz




Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: