Verbo de ligação


mulheres do acre – raimunda bezerra da silva
01/10/2012, 18:10
Filed under: reportagem

A acreana Raimunda Bezerra da Silva é uma das indicadas para o “Prêmio Betinho – Atitude Cidadã 2012” (Foto: Arison Jardim)

“Violência é tudo aquilo que impede o ser humano de se realizar.”

Gandhi

Embora a história da civilização esteja tão intrinsecamente ligada à tomada de consciência em relação aos direitos humanos, seus fundamentos ainda são bastante incompreendidos.

Entretanto, sem a valorização desse princípio, a escravidão, por exemplo, continuaria em alta no mundo todo, mulheres e negros seguiriam sendo cidadãos de segunda classe, sem voz e sem voto, permaneceriam vigentes as 80 horas semanais de trabalho da época da Revolução Industrial e seria legítimo maltratar crianças e forçá-las a trabalhar, mesmo em serviços pesados.

E, embora tais ações soem afrontosas em nossos dias, há pouco tempo eram consideradas normais por nossos antepassados. Não fossem alguns indivíduos que tenham se atrevido a discordar desses procedimentos e combatê-los, ainda que sob risco de vida.

– Grande parte das pessoas pensa que os direitos humanos existem para defender bandido – diz Raimunda Bezerra da Silva, 60 anos, acreana de Brasileia, que passou mais da metade de sua vida a promover o bem-estar e a dignidade dos seus semelhantes.

Raimunda é uma das fundadoras e atual coordenadora do Centro de Defesa dos Direitos Humanos e Educação Popular do Acre (CDDHEP) – criado em 1979, na capital, com o nome de Centro de Defesa dos Direitos Humanos (CDDH) – e também coordenadora de Relações Internacionais do Movimento Nacional de Direitos Humanos (MNDH), que ajudou a fundar em 1982.

Em reação à  opressão política, nos anos 70 começou a participar de grupos de jovens da Igreja Católica e iniciou seu trabalho em comunidades de base. Acompanhou de perto o movimento dos seringueiros, movimentos sindicalistas e de associações de moradores. Também interagiu contra a violência policial que estava instalada no estado até meados dos anos 90 e que fez dezenas de vítimas.

Em sua folha corrida de serviços prestados ao Acre e à humanidade, constam os projetos “Criança e Adolescente: Viver sem Violência é um Direito”, visando à formação de conselheiros tutelares e lideranças comunitárias; “Direitos Humanos e Cidadania”, programa de formação, com duração de três anos, para lideranças comunitárias, e a oficina “Revigorando o Enfrentamento à Violência Contra as Mulheres”. Também colaborou com a criação da “Capacitação de Educação em Direitos Humanos”, nos estados da Região Norte e participou do projeto “Mulheres da Paz”. Além disso, com participação ativa nas comunidades dos bairros Seis de Agosto, Aeroporto Velho e da Pista, implantou a Rádio Comunitária Gameleira, que se transformou em importante ferramenta de mobilização, educação, informação e interação da comunidade do Seis de Agosto, uma das mais tradicionais de Rio Branco.

Atualmente, a rotina do CDDHEP consiste em receber e orientar cidadãos em questões relacionadas à terra, moradia, crianças e violência de gênero, entre outras. Também o Programa de Proteção a Vítimas e Testemunhas Ameaçadas (Provita) é gerenciado pelo CDDHEP no Acre.

A atuação de Raimunda tem sido pontuada de fatos relevantes. Mas, quando indagada sobre um momento marcante, ela fica muito séria, abaixa a cabeça e as lágrimas irrompem. Da garganta emergem as palavras, difíceis:

– Não houve nada como a morte do Chico.

Quase 24 anos depois, o fato ainda ressoa na emoção de Rai, que de novo visita o pesar e a profunda afeição e respeito pelo amigo Chico Mendes.

Fala do idealismo do líder popular, claramente disposto a viver e a morrer em defesa da floresta e dos seus moradores. Destaca-lhe a inteligência incomum e a capacidade de ouvir. E conta também de seu caráter afetivo: “brincava de cavalinho com os meus filhos, contava história de onça…”

Da época, lembra-se também do grau de politização que aquela população já alcançou: “Na floresta existia uma multidão organizada”.

Ela e o ex-marido, Paulo Klein, tiveram convivência intensa com Chico, acompanharam de perto as perseguições que ele sofreu e também se expuseram, pois o líder se hospedava na casa deles quando vinha a Rio Branco. De fato, dias depois do crime, entre outros sinais, foi encontrada no quintal do casal uma embalagem de cigarros da mesma marca que o assassino fumava, o que lhes levou a entender que a perseguição passara por ali.

Sobre o ocorrido, conclui, tristemente:

– É uma brutalidade imensa que alguém seja morto por suas ideias.

A trajetória de Raimunda lhe valeu, este ano, a indicação, junto a outros dois candidatos do Acre, ao “Prêmio Betinho – Atitude Cidadã”, lançado em agosto pelo Comitê de Entidades no Combate à Fome e pela Vida (COEP Nacional) e Rede Mobilizadores. A escolha está sendo feita por meio de votação, na internet: (http://www.coepbrasil.org.br/premiobetinho/Publico/premio.aspx).

Sobre a humanista, o jornalista Elson Martins, um dos fundadores do famoso jornal “Varadouro”, que circulou no estado no final dos anos 70 e início dos 80, afirma: “Conheço-a desde os anos 70, sempre é a mesma pessoa, coerente com os seus princípios, engajada no trabalho político e social e ligada às questões dos direitos humanos. Envolveu-se na luta dos seringueiros e também ajudou as famílias expulsas dos seringais que chegavam à cidade buscando um lugar ao sol. É serena, responsável e inteligente”.

Serenidade é mesmo um traço de sua personalidade. Rai pode até parecer um espírito tímido, com sua voz suave e calma, seus gestou delicados. Engano.

Dentro de Raimunda Bezerra reside a integridade, a coragem, a resistência e a maioridade daqueles que sabem o que fazem e por que fazem.

Onides Bonaccorsi Queiroz

Anúncios

Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: