Verbo de ligação


joão roberto ripper quer todo mundo bonito na foto
13/07/2012, 18:51
Filed under: reportagem

          “A beleza não é apenas a estética, mas a beleza dos fazeres”,                          diz o fotógrafo carioca João Ripper (Foto: Arison Jardim)

 

Por que tanta gente fica insegura no momento em que é fotografada? Por que muitos recorrem, antes do “clic”, para o espelho, a fim de se “arrumar” para a foto? E por que outros tantos não suportam o instante da captura da imagem de si e fogem das câmeras?

Porque há algo que detém muito poder na imagem: informação. Algo que revela, sobretudo aos olhos mais atentos, um aspecto, ou a intimidade do fotografado e expõe seus segredos mais profundos. E, ainda, deixa a informação registrada, contando uma história sobre aquele sujeito. Como olha, como se posta na vida, como se veste, de onde vem, que espaço ocupa no mundo, o que deseja e até o que se esforça em esconder.

O momento da foto traz um quê de apreensão porque nos aproxima de um conflito muito humano, profundo e frequente: o nosso valor como pessoas. Sou belo o bastante? Sou bom o suficiente? Sou importante? Sou adequado?

E aponta para uma necessidade indispensável: mais do que tudo, queremos ser aceitos e amados. Aponta, também, para um direito: o de termos nosso lugar no mundo. Um lugar bom, bonito, digno e próspero. E de sermos assim vistos publicamente. Não por acaso, da sabedoria popular surgiu a expressão “ficar bonito na foto”, que significa exatamente ter boa reputação.

É para defender esses direitos que trabalha o fotógrafo carioca João Roberto Ripper. Ao longo de décadas dedicadas ao fotojornalismo em muitos estados brasileiros, ele investigou o cotidiano de povos indígenas e ribeirinhos, inclusive no Acre, trabalhadores rurais, no Mato Grosso, quilombolas, no Maranhão, e, há alguns anos, tornou-se membro ativo da organização Observatório de Favelas, no Rio de Janeiro.

Ali, como um dos coordenadores do projeto Imagens do Povo, oferece a oportunidade da reeducação do olhar do morador da favela. E da divulgação desse outro olhar. Pois grande parte das vezes, tal grupo desenvolve uma imagem negativa de si, devido à versão estereotipada dos fatos que a mídia costuma contar sobre eles e sobre o seu ambiente para o país.

Por exemplo, a versão de que a principal realidade da favela é o tráfico e que todos os moradores do lugar são pessoas potencialmente criminosas ou estão em vias de criminalidade. “A história única não é necessariamente mentirosa, ela pode ser verdadeira. O problema é que se transforma na única verdade daquela pessoa, daquele local, daquele país. E, com isso, gera preconceitos que mexem com a dignidade da pessoa”, observa Ripper. “Apenas 0,5% daquela população está envolvida com o tráfico. É preciso descobrir a identidade dos outros 99,5%, que são trabalhadores, estudantes, gente comum”, pondera.

Ripper relata, também, que na favela existe um número impressionante de realizações de iniciativa da própria comunidade, tão fortes e significativas que chegam a conseguir preencher espaços onde o estado está pouco presente ou ausente.

O próprio Imagens do Povo é um centro de documentação, pesquisa, formação e inserção de fotógrafos populares no mercado de trabalho. Busca aliar a técnica fotográfica às questões sociais, documentando o cotidiano das favelas com percepção crítica, respeitando os direitos humanos e a cultura local. Ripper conta que projeto, que contabiliza oito anos – e já atravessou muitas dificuldades – tem 40(!) fotógrafos vivendo apenas de fotografia. O Imagens do Povo, muitas vezes premiado nacionalmente, já expôs seu trabalho no CCBB (RJ), na Caixa Cultural, no Palácio do Planalto e na Canning House, em Londres.

Também com o público infantil, o Imagens do Povo atua, incentivando o registro de imagens com câmeras “pinhole” (lê-se “pinrrôle”), feitas pelas próprias crianças, levando-as a descobrir o espaço onde moram, a família, as belezas que essas pessoas têm. E aí Ripper reavalia e aprofunda o conceito do belo: “A beleza não é apenas a estética, mas a beleza dos fazeres, como o trabalho, o brincar e a cultura”.

E, prossegue, apresentando os resultados da iniciativa: “Esse exercício faz a autoestima das crianças voltar, faz com que se descubram. Acho que são esses os princípios que um documentarista deve ter: a arte e a magia do processo do documentário é você aprender e descobrir valores. Então, é muito mais um trabalho para o qual você não se apresenta como senhor das ações, ou da sabedoria, e não chega para julgar, mas para aprender. E isso te obriga a contar as várias histórias de uma pessoa de uma comunidade”, reflete.

Todo esse riquíssimo cabedal de experiências, técnicas e virtudes solidárias Ripper compartilhou em Rio Branco nos últimos dias, por meio de oficinas de fotografia para profissionais e cidadãos comuns. O convite partiu do Pium Fotoclube, da capital.

Para o acervo da Biblioteca da Floresta, em Rio Branco, onde ocorrem as oficinas, o profissional prometeu cópia de todo o arquivo fotográfico que tem sobre o Acre. Atitude que, generosa, está plenamente de acordo com os valores que sustenta: o fotografado tem o direito de rever o trabalho produzido a partir de sua imagem e de utilizá-lo para melhor se conhecer e buscar o que precisa.

É certo que as diversas contribuições de Ripper ao Estado do Acre já ajudaram e continuarão ajudando os acreanos a se apropriarem de sua história e identidade. E a olharem para o amigo João Roberto com apreço e gratidão.

Afinal, um talento do naipe de Ripper seria reverenciado em qualquer lugar do mundo, com direito a ótima gratificação financeira e prestígio internacional. Mas, apaixonado e comprometido com a felicidade do povo da sua terra, escolheu viver no Brasil, exatamente no conturbado Rio de Janeiro, e dedica a vida a revelar a gema preciosa que existe em todos, todos e todos.

João Roberto Ripper é brava gente brasileira.

Onides Bonaccorsi Queiroz

 

Anúncios

Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: