Verbo de ligação


onde encontrei meu inimigo
26/01/2010, 16:38
Filed under: Poesia

Ninguém me perturba,

senão meus ruídos.

Ninguém me confunde,

senão minha dúvida.

Ninguém me humilha,

senão meu orgulho.

Ninguém me insulta,

senão meu autodesprezo.

Ninguém me segrega,

senão meu preconceito.

Ninguém me abandona,

senão minha fuga à solidão.

Ninguém me ameaça,

senão o meu medo.

Ninguém me controla,

senão minha negligência.

Ninguém me acusa,

senão minhas culpas.

Ninguém me aprisiona,

senão meus apegos.

Ninguém causa a mim

o que eu não sustente.

Se tenho inimigo,

é porque lhe dou abrigo.

Ainda assim,

nada me permite ser nociva.

Perto do flanco alheio,

misericórdia:

seja gentil meu movimento.

Que também não há amigo,

nem bênção

sem o meu consentimento.

E ninguém me liberta,

senão minha vontade.

Ninguém me garante,

senão minha fé.

Ninguém me faz feliz,

senão a paz que quer viver em mim.

Onides Bonaccorsi Queiroz

Anúncios

1 Comentário so far
Deixe um comentário

Que a luz que emana das suas palavras (reflexo de quem você é!), brilhe sempre, minha amiga, e ilumine muitos, assim como faz comigo.

Comentário por Lize




Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: